O VENTO QUE FORMA OU DEFORMA


Há umas duas semanas atrás mais ou menos, estava treinando com amigos na belíssima praia do caolho – muito mais perto da praia do Olho D’água que da própria praia do Caolho – quando de repente fui tocado pelo Espírito Santo para prestar atenção às dunas que ali estavam formadas. Tínhamos treinado nela dois dias antes.  Neste dia, fomos fazer o mesmo circuito feito anteriormente e após algumas duas passagens pelo percurso, já cansado, olhei para as dunas e percebi que elas já não eram mais as mesmas. Então, algo me chamou a atenção: as dunas nunca mais seriam as mesmas. Parece muito simples, e o é realmente.
A vida segue o mesmo rumo. Ela nunca será a mesma do dia anterior. Sempre sofrerá metamorfoses. Umas extremamente agradáveis de serem vividas, outras nem tanto; umas alegremente deliciadas com sabor de quero mais e desejo que sejam imparáveis; outras, digeridas como ácido, com gosto de que ‘passem logo’, de tão ruins que são. Esta é a vida: ela vai se moldando a cada dia de uma forma, onde muitas vezes, nem mesmo temos a opção de escolhas das mudanças e dos rumos. A vida é como uma duna onde o vento a move de lugar dia a dia momento a momento, segundo a segundo. A vida sofre dessa ininterrupta variação de fatos. O que não existe vem a existir, o que existe vem a não existir como que num passe de mágica, e essas transformações, em muitos casos, são dolorosas, traumáticas em alguns momentos; em outros, podem ser causadoras de festividades na alma e de impressões que ansiamos fossem eternas.
É como uma lei da qual ninguém pode fugir: as transformações são inerentes à vida, são fatos incontestáveis, como o é o nascer do sol todos os dias. Mas o que mais me intrigou não foi apenas essa imutável certeza da fugacidade da vida em seus processos de existência. Mas aprender a lição ‘do que aprender’ coma as transformações pelas quais a vida nos faz passar. Sim, o que as transformações fazem da nossa alma, do nosso coração, da nossa existência, da nossa capacidade de pensar, da nossa forma de ver o mundo, das nossas relações, e das relações que temos com tudo que nos envolve, sejam pessoas, sejam coisas. O vento muda as dunas a todo momento, faz nelas variações as mais inimagináveis. O vento forma, ou deforma; constrói, ou desconstrói; aumenta, ou até mesmo diminui; junta, como pode espalhar; fortalece, como também enfraquece; o vento sugere e causa um tanto elevado de coisas nas dunas. Em alguns momentos causa estranheza, em outros causa perplexidade; já em outros desperta beleza aos olhos.
É nisso que fico a pensar: o que os ventos têm causado nas dunas da minha vida? O que têm feito de mim e comigo? O que têm feito das minhas relações? O que têm causado em meus relacionamentos? E que tipo de vento tem invadido a minha causando transformações? Têm sido elas favoráveis à minha vida? Ou completamente desfavoráveis, causando em mim não crescimento mas retrocesso? A minha vida é como uma duna que não pode se desviar do vento, mas parece que em momentos específicos da minha existência os ventos que vivem e insistem a soprar não são abençoadores, nem causadores de desenhos artisticamente pincelados com alegria e prazer em minha alma. Não obstante é vero olhar para a vida dos outros e perceber que os ventos por lá de bonanças são formados e construídos. Isso machuca e às vezes emudece os cantos, inflama a alma de sentimentos revoltosos, desmotiva a corrida, desencoraja e entristece o peito. Parece que vamos percebendo que as nossas dunas estão se esvaindo diante dos ventos, que mais parecem tempestades como aquelas dos desertos africanos ou do oriente médio. A gente vai se vendo em perda, em desapontamento e decepções, mais em lágrimas que em sorrisos, mais em desapontamentos que em vitórias. Mas muito mais que perceber isso, o importante é como estou me percebendo e reagindo a isso. Esse é o desafio da vida. Não é se os ventos estão soprando e mudando dia a dia momento, momento a momento, mas que desenhos estão fazendo em nossa alma; que formas ou deformas estamos deixando que eles façam ou desfaçam.
O desafio da minha alma não é me opor aos ventos – isso é impossível –, mas não me deixar ser desenhado e formado às adequações que eles querem impor em mim. Muito mais sabendo que o molde e a fôrma que eles querem inculcar em mim são opostos aos que Deus tem para minha vida. Que ventos têm soprado sobre tua vida agora? Ventos que sopram o descompromisso àquilo que Deus espera de ti? Ventos que te direcionem a uma vida sexual promiscua e desativada da atividade de Deus? Ventos de uma perpetuação de falta de perdão para com alguém que te magoou e te decepcionou grandemente? Ventos de falta de responsabilidade com a tua família e tua esposa? Ventos de desencorajamento diante de uma aprovação em um concurso que ainda não chegou? Ventos de julgamento para com a pessoa de Deus, pois uma porta aberta de emprego nunca se concretizou? Ventos de desespero porque o coração está há tanto esperando por alguém que parece nunca chegar para completar vazios? Ventos de profunda tristeza pela perda de alguém próximo? Ventos de desvinculação ao padrão e ao chamado de Deus para uma vida de santidade e de enfrentamento das modas mundanas que vão ao encontro do padrão deixado pelo Senhor? Que ventos têm soprado e o que eles têm causado na tua alma e na tua vida?
Reflita nisso. Que o vento do Espírito Santo de Deus sopre em seu coração a fim de que possa pincelar quadros maravilhosos de esperança, retidão, amor, perdão, de motivação para buscar uma carreira abençoada, uma família alicerçada na palavra, amizades construtivas e façam de ti e de mim pessoas que refletem o amor reconciliador que está na pessoa de Jesus Cristo. Amém.
NEle, que espera que os ventos do mundo não tomem o lugar do vento do Espírito Santo.

Jahilton Magno

São Luís, 05.09.12

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOCÊ FOI EDIFICADO? DEUS FALOU AO SEU CORAÇÃO? FAÇA UM COMENTÁRIO PARA QUE OUTRAS PESSOAS SAIBAM!